quinta-feira, maio 19, 2011

A dança e o riso!


A meditação é, sem dúvida, a ferramenta mais eficaz para alcançarmos a dimensão divina de nosso ser, que nos torna capazes de lidar com a vida de modo sábio, sereno e pacífico.
Muitas pessoas, no entanto, se dizem incapazes de meditar, pois suas mentes se encontram em tal estado de agitação e turbulência, que é quase impossível para elas permanecer imóveis e em silêncio por um longo período.
De fato, vencer a resistência da mente é um gigantesco desafio para aqueles que se propõem a ir fundo neste processo. Mas, é importante saber que esta não é a única forma de meditar.
Existem dois caminhos que podem igualmente nos levar ao encontro de nosso verdadeiro eu: a dança e o riso. Se formos capazes de experimentá-los de maneira total, mergulhando neste exercício por inteiro, sem resistência, certamente conseguiremos paralisar a mente, sem que seja necessário um grande esforço.
Como isto acontece? Simplesmente porque, ao dançar sem qualquer preocupação com o certo e o errado, e ao liberar a alegria que existe dentro de nós, refazemos imediatamente a conexão com o estado de pureza e inocência com que chegamos ao mundo.
A criança, quando pequena, não foi ainda contaminada pelos condicionamentos externos; por isso, cada simples acontecimento da vida a faz reagir com alegria.
Eu presencio muitas situações nas quais as crianças tentam chamar a atenção das mães para algo que as entusiasmam, e estas, muitas vezes, reagem com impaciência, dominadas que estão pelas preocupações que habitam suas mentes.
É esta capacidade perdida que conseguimos resgatar ao praticar a dança e o riso. Infelizmente, as repressões e as amarras a que foram condicionadas, tornaram muitas pessoas incapazes de se soltar, de liberar a criança que existe dentro delas.
Mas sempre é tempo de retomarmos a inocência perdida, e esta prática pode fazer toda a diferença entre uma vida plena e aquela em que simplesmente nos arrastamos do berço ao túmulo.
"A dança e o riso são as melhores portas, as mais naturais, as mais facilmente acessíveis para entrarmos na não-mente. Se você realmente dançar, o pensamento pára. Se você dançar sem parar, girando, girando e se tornar um redemoinho - todas as fronteiras, todas as divisões desaparecem. Você nem mesmo sabe onde seu corpo termina e onde a existência começa. Você se dissolve na existência e a existência se dissolve em você.
E se você estiver realmente dançando - não controlando a dança, mas deixando que ela o conduza - se você estiver possuído pela dança, o pensamento pára.
O mesmo acontece com o riso. Se você for possuído pelo riso, o pensamento pára. E se você conhecer alguns momentos de não-mente, esses vislumbres lhe assegurarão muito mais recompensas que irão surgir.
O riso pode ser uma bela introdução a um estado de não-pensamento.
No dia em que o homem se esquecer de rir, no dia em que o homem se esquecer de brincar, no dia em que o homem se esquecer de dançar, ele não será mais um homem; ele terá caído para uma espécie sub-humana. A brincadeira o deixa leve, o amor o deixa leve, o riso lhe dá asas.
Dançando com alegria ele pode tocar as estrelas mais longínquas, pode conhecer o próprio segredo da vida".


Osho, A Sudden Clash of Thunder / Zatathustra, The Laughing Prophet.
(:: Elisabeth Cavalcante :: )
Fonte: http://somostodosum.ig.com.br/conteudo/c.asp?id=10596

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...