domingo, março 18, 2012

Você vai querer ser Velho ou Idoso ?



Veja e sinta a diferença e escolha , ainda há tempo .
Idoso é quem tem privilégio de viver a longa vida...
Velho é quem perdeu a jovialidade.
A idade causa a degeneração das células...
A velhice causa a degeneração do espírito.
Você é idoso quando sonha...
Você é velho quando apenas dorme.
Você é idoso quando ainda aprende...
Você é velho quando já nem ensina.
Você é idoso quando se exercita...

Você é velho quando somente descansa. Você é idoso quando tem planos...
Você é velho quando só tem saudades.
Você é idoso quando curte o que lhe resta da vida...
Você é velho quando sofre o que o aproxima da morte.
Você é idoso quando indaga se vale a pena...
Você é velho quando, sem pensar, responde que não.
Você é idoso quando ainda sente amor...
Você é velho quando não sente mais do que ciúmes e possessividade.
Para o idoso a vida se renova a cada dia que começa...
Para o velho a vida se acaba a cada noite que termina.
Para o idoso o dia de hoje é o primeiro do resto de sua vida...
Para o velho todos os dias parecem o último da longa jornada.
Para o idoso o calendário está repleto de amanhãs...
Para o velho o calendário só tem ontens.
Enquanto o idoso leva uma vida ativa, plena de projetos e a preenche esperanças,
o velho vive horas que se arrastam, destituídas de sentido.
Enquanto o idoso tem os olhos postos no horizonte de onde o sol desponta,
o velho tem a sua miopia voltada para as sombras do passado.
Enquanto as rugas do idoso são bonitas porque foram sulcadas pelo sorriso e pela alegria de viver,
as rugas do velho são feias porque foram vincadas pela amargura.
Enquanto o rosto do idoso se ilumina de esperança,
o rosto do velho se apaga de desânimo.
Idoso ou velho podem ter a mesma idade cronológica, mas têm idades diferentes no coração!
O idoso se renova a cada dia que começa, o velho se acaba a cada noite que termina.
O idoso tem planos, o velho tem saudades.
O idoso curte o que lhe resta da vida, o velho sofre o que o aproxima da morte.


(Jorge R. Nascimento)







9 comentários:

  1. ROUBARAM A MORTE E A VELHICE DO IDIOMA - Eliane Brum

    “A morte não é o contrário da vida. A morte é o contrário do nascimento. A vida não tem contrários”. A vida, portanto, inclui a morte. A mesma lógica que nos roubou a morte sequestrou a velhice. A velhice nos lembra da proximidade do fim, portanto acharam por bem eliminá-la.

    Numa sociedade em que a juventude é não uma fase da vida, mas um valor, envelhecer é perder valor. Os eufemismos são a expressão dessa desvalorização na linguagem.

    Não, eu não sou velho. Sou idoso. Não, eu não moro num asilo. Mas numa casa de repouso. Não, eu não estou na velhice. Faço parte da melhor idade. Tenho muito medo dos eufemismos, porque eles soam bem intencionados. São os bonitinhos mas ordinários da língua. O que fazem é arrancar o conteúdo das letras que expressam a nossa vida. Justo quando as pessoas têm mais experiências e mais o que dizer, a sociedade tenta confiná-las e esvaziá-las também no idioma.

    Chamar de idoso aquele que viveu mais é arrancar seus dentes na linguagem. Velho é uma palavra com caninos afiados – idoso é uma palavra banguela. Velho é letra forte. Idoso é fisicamente débil, palavra que diz de um corpo, não de um espírito. Idoso fala de uma condição efêmera, velho reivindica memória acumulada. Idoso pode ser apenas “ido”, aquele que já foi. Velho é – e está."

    "Idoso e palavras afins representam a domesticação da velhice pela língua, a domesticação que já se dá no lugar destinado a eles numa sociedade em que, como disse alguém, “nasce-se adolescente e morre-se adolescente”, mesmo que com 90 anos. Idosos são incômodos porque usam fraldas ou precisam de ajuda para andar. Velhos incomodam com suas ideias, mesmo que usem fraldas e precisem de ajuda para andar. Acredita-se que idosos necessitam de recreacionistas. Acredito que velhos desejam as recreacionistas. Idosos morrem de desistência, velhos morrem porque não desistiram de viver.
    Basta evocar a literatura para perceber a diferença. Alguém leria um livro chamado “O idoso e o mar”? Não. Como idoso o pescador não lutaria com aquele peixe. Imagine então essa obra-prima de Guimarães Rosa, do conto “Fita Verde no Cabelo”, submetida ao termo “idoso”: “Havia uma aldeia em algum lugar, nem maior nem menor, com velhos e velhas que velhavam...
    Velho é uma conquista. Idoso é uma rendição.
    Acho que devíamos nos rebelar. E não permitir que nos roubem nem a velhice nem a morte, não deixar que nos reduzam a palavras bobas, à cosmética da linguagem. Nem consentir que calem o que temos a dizer e a viver nessa fase da vida que, se não chegou, ainda chegará. Pode parecer uma besteira, mas eu cometo minha pequena subversão jamais escrevendo a palavra “idoso”, “terceira idade” e afins. Exceto, claro, se for para arrancar seus laços de fita e revelar sua indigência."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente do céu... não quis ofender ninguem... apenas postei um artigo! Tb sou cinquentona e não me importo em ser chamada de velha pelos colegas de faculdade!!! Isso não representa nada, pois nosso espirito é imortal. Só esta carcaça é que envelhece, murcha, etc, etc... Mas estou feliz pois muitas se rebelaram, e isso é muito bom!!! Amei os comentarios. Obrigada e voltem sempre, e comentem mesmo. Bjss

      Excluir
    2. Ops... esqueci de comentar: Amei seu texto. Posso posta-lo, dando a vc os créditos? Bjss

      Excluir
  2. Perfeito, Ashu! Eu também sempre detestei esses eufemismos, como melhor idade, etc....Sempre me pareceu uma desvalorização deplorável do conteúdo da velhice. Eu, estou envelhecendo e quero que me chamem de velha, graças aos céus! Afinal a única possibilidade de não envelhecer é morrer jovem e eu espero ter a oportunidade de aproveitar muito esta minha encarnação preciosa!

    ResponderExcluir
  3. É isso mesmo Ashu, o velho precisa ser valorizado e não "eufemisado". Adorei o texto, muito bom. Chameli.

    ResponderExcluir
  4. Karin
    maravilhoso!!! Desde muito tempo sou velha de experiencias, de dores e amores - sou uma velha sábia, uma bruxa.... Uma velha que sabe que os anos somente contam nas rugas, na vista mais fraca, nos famosos cabelos brancos. Sou velha de muitas vidas vividas, de espirito, de alma. Mas, e dai? Renasço cada manhã com o sol, sou jovem como o novo dia. Meus sonhos não tem rugas, nem dores nas juntas; meus projetos e metas são frescos e surpreendentes - e, minha alegria cresce com cada instante! Sei que o tempo é relativo, sei que neste momento estou vivo....

    ResponderExcluir
  5. Chameli
    Semana passada entrei no banco e peguei senha para atendimento prioritário, uma funcionária do banco veio me dizer que a senha era somente para idosos, grávidas e deficientes físico. Eu disse à ela, então estou certa. Ela me respondeu, mas a senhora não é idosa, respondi, idosa não, só estou no início da minha velhice, tenho 60 anos... cabelos brancos... me chame de velha, gosto tanto dessa palavra. Vamos nos rebelar!!!

    ResponderExcluir
  6. Giovânia
    Gostei muito desse texto. quando me digo velha causa espanto. vc não esta velha. e eu falo: não? sou jovem então? não. claroq ue não. respeitem a minha estrada e a diferenciem. e ai percebo como o tom com que ouvem a plavra velho é pejorativo.

    ResponderExcluir
  7. Essa foi a conversa das velhas, pelo Face Book, que leram o seu texto, que não gostam de eufemismos e são contra a desvalorização da velhice.
    Com carinho, Chameli

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário. Obrigada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...