domingo, maio 06, 2012

A Ação das flores na cura

A cura de uma parte não pode ser obtida sem o tratamento do todo. Platão
Assim como as flores “florescem” no mundo físico, o mesmo ocorre na alma humana quando se faz uso de um remédio floral. Um vidente adiantado que observasse o campo áurico de uma pessoa sob tratamento com florais, veria surgir “flores” no veiculo relativo ao campo psicomental; estas “flores” seriam semelhantes àquelas com que os florais foram preparados, inclusive em forma, cor e tonalidade; elas inundariam esse campo modificando as cores mórbidas próprias do campo áurico. Sabemos que quando se faz uso de florais, “afloram” a todo instante sentimentos puros e diferentes no nosso campo mental; isto se deve justamente ao fenômeno ora citado. Mas assim como as flores têm um tempo de vida muito curto também a sua permanência como vibração no campo áurico é temporária. Por esta razão, recomenda-se que um tratamento com florais seja mais prolongado e constante, quanto mais crônico seja o problema em questão. Para melhores resultados, aconselha-se a realização de um tipo de psicoterapia durante o tratamento floral , ou que a pessoa se submeta a uma profunda auto-reflexão durante a fase de efeito floral , de modo a permitir que a influência das essências florais no seu campo psicomental abra mais ainda a consciência , fazendo com que a ação da flor seja a mais fecunda e eficaz possível. Há vários modos de se entender as doenças e suas causas. Em termos esotéricos elas se devem a um estado de desarmonia ou desequilíbrio entre a consciência habitual e a alma, isto é, entre o si, que é o verdadeiro ser, e os seus veículos de expressão. Isso produz um desarranjo na sincronia vibratória entre as energias dos vários níveis psíquicos de uma pessoa.
A doença é, portanto, um dos efeitos inevitáveis do nosso estado de inconsciência, ou de limitação da nossa consciência habitual; mas, para quem sabe entender, ela também é útil, visto que revela os nossos erros e deficiências. A doença esconde uma mensagem que deve ser decifrada, já que, dependendo do órgão ou da função atingidos , há um problema especifico , um conflito diferente , uma anomalia especifica que deve ser localizada.
Por seus efeitos, a doença é purificatória e contribui para a evolução do doente e, uma vez resolvida, dissipa-se o conflito que a originou; as energias mal dirigidas ou bloqueadas são canalizadas na direção correta, mesmo que temporariamente. A medicina universal concebe que o homem é um agregado de energias em diferentes níveis vibratórios. O Si, ou consciência central verdadeira, representa um eixo principal, um núcleo estável em torno do qual giram os demais corpos sutis. A doença resulta, primeiramente, de um estado de desarmonia entre os corpos e níveis de consciência, que acaba por gerar os sintomas físicos, psíquicos ou mentais. Independentemente das causas internas ou externas, o homem deve, portanto, procurar estabelecer o equilíbrio e a harmonia entre as várias energias, de modo a permitir a emergência do seu centro unificador, ou consciência superior.
De um modo geral, as doenças resultam da utilização errônea das energias que se encontram em nós. As suas causas mais freqüentes localizam-se no corpo anímico, ou astral, e estão profundamente ligadas às emoções inferiores, às quais praticamente a humanidade inteira acha-se escravizada; no ser humano comum esse corpo anímico (alma) ou emocional é o mais desenvolvido e utilizado, sendo nele, portanto, que se originam os problemas e erros freqüentes resultantes da enorme quantidade de tensões, acúmulo de energias deletérias, nódulos vibratórios negativos, etc. É nesse campo que se alojam as emoções, tanto evidentes quanto ocultas, como o medo, as frustrações, as mágoas, as ansiedades, a avareza e outros parasitas da alma. Portanto, aquilo que se considera psicoterapeuticamente como “inconsciente” é, na verdade, o campo anímico. O processo analítico de terapia penetra nesse universo complexo e não no universo puro da consciência do eu superior, que, na verdade, está plenamente preservado dos males e dos desequilíbrios gerados pela ansiedade sensações do eu inferior; com isto se pode entender que o máximo dano que pode ocorrer com o seu eu superior é que ele seja “apagado” ou “eclipsado” pela prerrogativa de um eu inferior atrasado e prevalente. Numa conclusão definitiva e sintética, as doenças são causadas exatamente por isto. Ratificando a postura filosófica de Bach, Steiner e de outros mestres , entende-se então que não há doença ou desequilíbrio passível de ser provocado pelo eu superior, mas como resultado do conflito entre este e a consciência obscura do eu “inconsciente”, ou personalidade. Os sintomas psíquicos comuns como a angústia, a ansiedade, o medo, a raiva, o ódio (diferente da raiva por ser frio), etc. , bem como características pessoais psicológicas muito típicas, ligadas ao temperamento individual e a idiossincrasias complexas, não devem ser exatamente o alvo do terapeuta ao tratar alguém, mas ele deve entender que estes fenômenos representam apenas aspectos externos, ou significam tão-somente efeitos ligados a causas muito mais complicadas e centrais oriundas de elementos do inconsciente ou de conflitos introjetados nos recônditos mais profundos da alma. Por mais sutil e profunda que seja a situação das essências florais, mesmo quando adequadamente selecionadas para cada caso, não se consegue atingir o núcleo principal dessas idiossincrasias psicomentais, que só podem desaparecer se compreendido o seu significado pela própria pessoa que passa por elas. Esses problemas estão invariavelmente ligados a aspectos existenciais de difícil entendimento ou interpretação; sendo assim, não podem ser removidos apenas pela ingestão de gotas de remédios, pílulas extratos, etc. Mesmo que remédios florais ou essências apresentem um padrão vibracional sutil, isto só pode obviamente ser conseguido através da abertura do discernimento e da capacidade de compreensão do “paciente” , ou, mais especificamente, pelo seu crescimento interior. Os sintomas psíquicos, os sofrimentos morais, as preocupações, os medos, as ansiedades e demais feridas da alma resultam do distanciamento da consciência do individuo com relação à ordem sutil da vida, provocado por miríades de causas, como o apego material, a usura, a concupiscência, a ignorância espiritual, à subversão da escala dos valores , ao condicionamento cultural , à luxuria , etc. Os remédios florais adequados podem contribuir para a abertura da compreensão e do discernimento , mas jamais terão qualquer ação mágica capaz de destruir estas causas. Mesmo porque esses sintomas relatados possuem uma importantíssima função no processo da evolução humana; não fosse pelo caminho da dor e do sofrimento, não haveria nenhum outro estimulo ao crescimento interior de um individuo relutante ou indolente. O sofrimento torna-se assim uma motivação importante para livrar-se dele a pessoa obrigatoriamente deve entrar em contato com as respostas que necessita para crescer. Esta é a magia da vida. O bem-estar físico e mental, a opulência, a prosperidade material, etc. geram inércia e estagnação espiritual. Toda vez que uma brilhante civilização atingiu o seu clímax material e daí seguiu para o excesso e para a luxúria, conheceu o declínio e a degeneração. Com o ser humano comum, sem a iniciação espiritual, ou sem o devido aprimoramento existencial, o processo é o mesmo. Só a adversidade pode ensinar aos menos preparados. Remédios, por mais eficazes e sutis que sejam , podem ajudar bastante, mas não podem fazer pela pessoa aquilo que ela tem que fazer por si própria. Quanto a isto não se iludam, nem pacientes, nem terapeutas.
As pessoas, de um modo geral, são movidas pelos desejos, pelas emoções , e por impulsos condicionados pelo ambiente que as cerca , reagindo mais emocional do que racionalmente aos estímulos externos ou fatos. Por esta razão, o corpo é continuamente agitado pelos desejos fortes e pelas emoções, apresentando-se quase sempre perturbado e congestionado. Ansiedade, medo, paixões e desejos desordenados mantêm sempre em movimento as vibrações da natureza emocional do homem e se comunicam com o corpo físico denso através do corpo etéreo. O centro vital, como expressão das emoções no corpo etéreo, é o plexo solar, situado pouco acima da região umbilical, onde as perturbações do veículo anímico afetam principalmente o aparelho gastrintestinal e os rins; por esta razão é comum que as pessoas muito estressadas apresentem distúrbios digestivos (úlceras, gastrites, flatulência, má digestão, azia , prisão de ventre ou diarréias, acúmulos de líquidos , etc.).
O sistema simpático está ligado ao estado de vigília e o parassimpático ao estado de sono. De um modo geral, eles representam os dois pólos opostos da vida psicoorgânica. Quando eles estão em desequilíbrio surgem problemas de vários tipos, principalmente sensações subjetivas, algumas de difícil descrição. A medicina moderna conhece os efeitos do desequilíbrio entre estes sistemas e classifica o problema como uma disfunção mais comumente chamada de “distonia neurovegetativa” (DNV). Os sintomas mais comuns desse desarranjo são a insatisfação com a vida, os medos, a ansiedade, a angústia, a depressão, a insônia, a incerteza quanto ao futuro, tonteiras, memória deficiente e outros comuns à vida estressante atual. A distonia neurovegetativa pode ocorrer pela ação excessiva de um ou de outro sistema. As disfunções do simpático ocorrem freqüentemente pela constância de situações de emergência e de luta na vida de um individuo, produzindo estados de tensão sem descarga suficiente , produzindo congestão de energias. Isto já é o suficiente para promover o “distanciamento” funcional com o sistema oposto, o parassimpático. Nos distúrbios deste sistema há recessão emotiva, com inibição das energias e o sintoma predominante é a necessidade de pedir ajuda e proteção, fazendo com que a pessoa se sinta como uma criança abandonada e carente. Estes fenômenos descritos derivam de complicados mecanismos de defesa ou de repressão que se instalam no corpo astral e etéreo (vital), acarretando uma utilização incorreta das energias, permitindo depois o surgimento eventual de doenças.
A congestão é um acúmulo de energias que gera um estado de tensão e de conseqüente inflamação do órgão físico correspondente à área afetada. A inibição é o acúmulo de forças subjetivas que bloqueiam a corrente vital , acarretando perda de vitalidade , até mesmo atrofia ou morte do órgão correspondente. A congestão gera tendência à irritação, à agitação, à ansiedade; a inibição determina cansaço, astenia, depressão, inércia e indolência. Na maior parte dos casos, porém, os sintomas de congestão e de inibição estão presentes em diferentes proporções. A função básica dos sistemas simpático e parassimpático é a de manter o equilíbrio interno do ser humano, havendo assim uma correspondência precisa, a nível fisiológico, daquilo que se verifica a nível psicológico. O consciente e o inconsciente são os dois pólos da vida psíquica do individuo, que por suas funções correspondem, respectivamente, ao simpático e ao parassimpático. Quando os dois sistemas funcionam bem e harmonicamente entre si, estabelece-se o equilíbrio geral devido ao fluxo e refluxo rítmico da energia psíquica, numa atividade muito semelhante às sístoles e diástoles do coração ou aos movimentos respiratórios. Numa pessoa saudável psicologicamente madura, estes dois movimentos alternam-se como se fossem ondas, através, da progressão e da regressão das energias. Na realidade, este estado de equilíbrio é muito raro; como resultado realizado da vida distante das leis naturais, ocorre comumente a preponderância de um ou de outro movimento, e conseqüentemente mantém constante um estado de conflito, de desarmonia , de mal-estar , tanto a nível fisiológico quanto psíquico. As ações antagônicas entre os sistemas citados caracterizam uma polaridade que reflete uma verdade universal. Toda a vida cósmica é movida graças à polaridade; em todos os níveis, existe uma dualidade e um ritmo antagônico-complementar como, por exemplo, vida e morte, dia e noite, ativo e passivo, positivo e negativo, masculino e feminino, sombra e luz, expansão e contração, como se fossem os efeitos das batidas do coração universal ou a grande respiração cósmica.
Alessandro


Fonte: http://zhenjiu.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário. Obrigada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...